Nascido em Pombal, na Paraíba, o economista Celso Furtado completaria 100 anos em 26 de julho de 2020. Ele foi um dos mais destacados intelectuais do país ao longo do século XX, com ideias sobre o desenvolvimento e subdesenvolvimento econômico de corte pré-keynesiano. Ainda hoje, suas obras permanecem atuais, são difundidas no Brasil e no mundo e contribuem para a formação de novas gerações de economistas. Que tal aproveitar a quarentena para conhecer melhor o vasto legado deixado por ele? O Corecon-MG preparou uma lista com os principais livros assinados pelo economista, que vão ajudá-lo a compreender melhor sobre suas linhas de reflexão e sobre importantes aspectos da economia nordestina, brasileira e latino-americana. Confira:

Imagem: Reprodução

1. Formação econômica do Brasil (1959)

Publicada num período de otimismo econômico e campanhas por reformas de base no Brasil, o livro aborda as raízes do subdesenvolvimento brasileiro numa perspectiva histórica e econômica, expondo entraves para a formação da economia nacional ligados aos ciclos da economia colonial, aos processos de industrialização, à formação do mercado interno, à ocupação do território brasileiro, à evolução da mão-de-obra no país, entre outros aspectos. A obra foi escrita durante o pós-doutorado do autor na Universidade de Cambridge, na Inglaterra, tendo alcançado o terceiro lugar entre os livros mais vendidos do Brasil em apenas duas semanas após seu lançamento. Disponível para compra on-line.

Imagem: Reprodução

2. Teoria e política do desenvolvimento econômico (1967)

Neste livro, Celso Furtado formula a sua conhecida “teoria do subdesenvolvimento”, demonstrando que este fenômeno é não é um processo essencialmente econômico, mas também histórico, ligado aos processos de consumo, de acumulação de capital, de organização social e da força de trabalho e das trocas entre centros e periferias. Tomando por base esses aspectos, o autor defende que o desenvolvimento é uma construção histórica e uma meta planejada, e que o subdesenvolvimento não necessariamente configura-se como uma das etapas pelas quais as economias passam antes de alcançá-lo. Disponível na Estante Virtual e dois capítulos disponibilizados gratuitamente na plataforma e-Disciplinas, da USP.

Imagem: Reprodução

3. O mito do desenvolvimento econômico (1974)

A obra consiste num estudo sobre tendências da estrutura capitalista, na fase em que foi marcada pela atuação de grandes empresas e pelo o eixo centro-periferia. Com base nesse contexto, Celso Furtado apresenta um modelo do subdesenvolvimento brasileiro como consequência da dependência existente nas relações político-econômicas entre os países neutros e aqueles que se posicionam a favor do capitalismo, sendo um livro fundamental para a compreensão desse sistema econômico na atualidade. Disponível gratuitamente no portal e-Disciplinas, da USP.

Imagem: Reprodução

4. A nova dependência, dívida externa e monetarismo (1982)

Esta obra complementa e atualiza as reflexões apresentadas por Celso Furtado em A hegemonia dos Estados Unidos e o subdesenvolvimento da América Latina (1973), que aborda as relações de dominância econômica dos EUA em relação aos países latino-americanos, prevendo sua substituição por uma ordem mundial com diversas outras potências. Já em A nova dependência, dívida externa e monetarismo, o economista prossegue para uma análise sobre a globalização que, vinculada ao monetarismo, passou a configurar-se como um novo modelo de dependência entre os países. Disponível para compra on-line.

Imagem: Reprodução

5. O capitalismo global (1998)

Em O capitalismo global, Celso Furtado propõe uma análise sobre o processo contemporâneo de globalização, desmistificando-o enquanto promotor de políticas econômicas uniformes. Novamente baseando-se em um vasto arcabouço histórico, o economista propõe enxergarmos a estrutura da globalização como um retrocesso, um possível retorno ao capitalismo original, baseado em exportações e investimentos estrangeiros. Sem ceticismo e pessimismo, o autor apresenta essas e outras visões sobre um mundo em transformação, propondo instrumentos e estratégias para superação de desafios e tomada de decisões. Disponível para compra on-line.

Imagem: Reprodução

6. O longo amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil (1999)

Composto por um conjunto de ensaios, com temas como Formação cultural do Brasil, Nova concepção do federalismo e Os caminhos da reconstrução, este livro traz como questão central o nível de autonomia que os brasileiros detêm para atuar na condução do país, partindo da constatação acerca da decrescente autossuficiência nacional, que contribui de forma negativa para a superação do subdesenvolvimento. Celso Furtado perpassa o dinamismo do mercado interno, o endividamento externo, o desenvolvimento cultural do Brasil, entre outros temas, propondo soluções de natureza política para o desenvolvimento do país. O título do livro também dá nome à cinebiografia de Celso Furtado, dirigida por José Mariani, que liberou acesso à produção como parte das comemorações do centenário de nascimento do economista. Clique para assistir (senha CF 100). O livro, por sua vez, está disponível para compra on-line.

Imagem: Reprodução

7. Essencial Celso Furtado (2013)

Essa coletânea, organizada e comentada pela jornalista Rosa Freire D’Aguiar, resume os principais conceitos, reflexões e abordagens trabalhadas por Celso Furtado ao longo de sua ilustre trajetória, dividindo-os em quatro eixos: Trajetórias, que reúne textos autobiográficos; Pensamento econômico, subdividido em Teoria e em História, com foco na problemática do subdesenvolvimento; Pensamento político, abordando os obstáculos e as possibilidades políticas para o crescimento econômico nordestino e nacional; e Cultura, ciência, economistas, que destaca as preocupações de Celso Furtado com as relações entre cultura e desenvolvimento. Disponível para compra on-line.

 

7 livros de Celso Furtado para ler durante a quarentena
Tags:                                                             

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *