Nota do Corecon-MG sobre mineração predatória, chuvas e desastres ambientais em Minas Gerais

O estado de Minas Gerais carrega em seu próprio nome uma história marcada pela exploração desenfreada de recursos naturais. Desde o século XVI, o território tem sido, em maior ou menor escala, cavado e escavado, recebendo o descaso e a degradação em troca de suas riquezas minerais, graças à ganância dos colonizadores, do poder público e de grandes e pequenas empresas, nacionais e internacionais.

Em consequência disso, seis anos atrás, em 5 de novembro de 2015, o Brasil assistia em seus noticiários, em choque e de mãos atadas, ao maior desastre ambiental de sua história, que ocorria em terras mineiras. Tratava-se do rompimento da barragem de rejeitos da Samarco Mineração S.A, em Bento Rodrigues, subdistrito da cidade de Mariana.

A tragédia afetou pelo menos 500 mil pessoas ao longo de 670 km de curso de água da Bacia do Rio Doce, deixando 62 milhões de metros cúbicos repletos de lama, 19 mortos, 700 desabrigados e um dano inestimável à fauna e flora da região, além da economia e do turismo, que jamais foram os mesmos.

Apenas três anos depois, em 25 de janeiro de 2019, a cena de terror se repetia, como se o primeiro ocorrido não houvesse deixado nenhuma lição. Dessa vez, a barragem da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, controlada pela empresa Vale S.A, rompeu-se causando a morte de 270 pessoas, tornando-se então o maior acidente de trabalho já ocorrido no país em relação ao número de vidas perdidas.

Os 12 milhões de metros cúbicos de rejeitos despejados deixaram outras centenas de desabrigados, destruíram o circuito turístico de Veredas do Paraopeba junto a seus vários patrimônios históricos tombados, e logo encontraram a bacia hidrográfica do Paraopeba, cujo manancial de águas complementava o abastecimento de Belo Horizonte e cerca de cinquenta cidades da região metropolitana e entorno.

Em ambas as ocasiões, a população ribeirinha habitante das regiões atingidas, já desfavorecida pela própria construção das barragens em si, foi ainda mais prejudicada com o rompimento das mesmas. Além das evidentes perdas, as comunidades tiveram que conviver com a diminuição ou interrupção completa das atividades de pesca, agricultura e pecuária de subsistência, algumas de suas principais fontes de renda, impacto este que perdura até os dias de hoje. Não obstante, o Estado jamais ofereceu outras alternativas econômicas e de trabalho a essas pessoas.

Tendo sofrido com esses fatídicos acontecimentos, praticamente ignorados pelos responsáveis e pelo poder público, a população de Minas Gerais encontra-se extremamente apreensiva com o contexto vivenciado no início de 2022, marcado por uma série de enchentes, desabamentos, deslizamentos, perdas materiais e de inestimáveis vidas humanas, em consequência não apenas das chuvas, mas da recorrente negligência do Estado, de um péssimo planejamento urbano, da falta de investimento em infraestrutura e, sobretudo, da impunidade.

No início de 2020, temporais igualmente devastadores assolaram a região, resultando em sérios danos estruturais, mais de 50 mortes e quase 20 mil pessoas sem residência. Assim como no caso das barragens, em um curto período de tempo, o cenário se repete sem que nada de eficiente seja feito para impedi-lo. Agora em 2022, com 374 cidades em emergência, Minas Gerais já contabiliza quase 27 mil desalojados e 25 mortos desde o início das tempestades deste ao.

Em Capitólio, banhistas foram atingidos pelo deslizamento de rochas do cânion do Lago de Furnas; em Ouro Preto, o casarão colonial Solar Baeta Neves, construído no século XIX, foi soterrado devido a um deslizamento, somando mais uma imensurável perda de um patrimônio histórico; enquanto em Nova Lima, o transbordamento de um dique de contenção da Mina de Pau Branco, da empresa Vallourec, inundou a BR-040 e provocou medo de mais uma tragédia.

Com os níveis de chuva acima da média histórica, outras 36 barragens de rejeito de minério em Minas Gerais encontram-se em situação de emergência, sendo que três delas já estão no nível 3, quando o rompimento é iminente ou está em curso. São elas: Forquilha III, em Ouro Preto; B3/B4, em Nova Lima; e Sul Superior, em Barão de Cocais; todas operadas pela Vale S.A e próximas a cidades que, juntas, têm população estimada em 255 mil pessoas.

Em contexto já desfavorável, ainda lidando com as consequências da pandemia e tentando reconstruir-se em meio ao caos provocado pelas tempestades, Minas Gerais encontra-se, mais uma vez, vulnerável a catástrofes já conhecidas, mas que parecem estar longe de serem evitadas, tendo em vista que também já é de praxe a omissão do poder público em suas três esferas, em nível municipal, estadual e federal.

Com profundo pesar pelos trágicos acidentes e incidentes ocorridos, o Conselho Regional de Economia de Minas Gerais (Corecon-MG) se junta à corrente de solidariedade aos mineiros afetados, ato necessário para reduzir a dor, a desesperança e o sofrimento de milhares de famílias. A autarquia também permanece, enquanto entidade representativa da classe profissional dos Economistas, comprometida com a promoção de estudos e reflexões que possam mitigar, na esfera econômica e humana, os impactos negativos dos infortúnios supracitados.

Nota do Corecon-MG em solidariedade às vitimas das chuvas em Minas Gerais

Nas últimas semanas, diversas cidades de Minas Gerais e da Bahia vêm sendo atingidas por um alto volume de chuvas. A população, por consequência, tem sofrido com enchentes, desabamentos e outros acidentes, que provocam cada vez mais perdas materiais e de inestimáveis vidas humanas.

Segundo um boletim divulgado pela Coordenadoria Estadual de Defesa Civil nesta segunda-feira, dia 10 de janeiro, 145 municípios mineiros estão em situação de emergência. O número de pessoas desabrigadas chega a mais de 3 mil, enquanto cerca de 14 mil encontram-se desalojadas e outras 19 perderam suas vidas.

O Conselho Regional de Economia de Minas Gerais (Corecon-MG), em consonância com o juramento profissional do economista, que preza pela “promoção do bem-estar social e econômico”, lamenta profundamente essa calamitosa situação e se solidariza com todas as vítimas.

Assim que passado o momento de caos, a sociedade precisa aprofundar suas reflexões acerca da situação, sobretudo no que diz respeito às suas causas e consequências, que não podem ser atribuídas, de forma superficial, somente a fatores naturais.

Há também uma profunda necessidade de investimentos estruturais e em políticas públicas que visem à redução de desigualdades sociais. O planejamento urbano, de forma multissetorial, é uma importante ferramenta a ser utilizada pelo poder público para promover a equidade, através da oferta de moradia, energia, abastecimento de água, transporte público, saneamento básico e serviços de drenagem a toda a população. Esse papel é do Estado e não pode ser negligenciado.

Todavia, neste momento, o que nos resta é a tomada de providências emergenciais para o suprimento das necessidades básicas dos atingidos. Visando estimular o engajamento da categoria com esta causa, o Corecon-MG lista abaixo os postos para doação de alimentos, água mineral, roupas, cobertores, materiais de limpeza e de higiene pessoal e kit Covid (máscaras e álcool em gel) em Belo Horizonte, itens que serão destinados às pessoas afetadas.

Polícia Civil, Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais
O que doar? Alimentos não perecíveis, água mineral, produtos de higiene pessoal, material de limpeza, cobertores, colchões e roupas de cama
Onde doar? Todos os batalhões, quartéis, bases comunitárias e delegacias da Polícia Civil, da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais

Cruz Vermelha de Minas Gerais
O que doar? Alimentos não perecíveis, água mineral, produtos de higiene pessoal e material de limpeza
Onde doar? Alameda Ezequiel Dias, nº 427, Santa Efigênia

Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG)
O que doar? Alimentos não perecíveis, água mineral, produtos de higiene pessoal e material de limpeza
Onde doar? Rua Rodrigues Caldas, nº 30, Santo Agostinho

Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG)
O que doar? Alimentos não perecíveis e roupas
Onde doar? Edifício sede – Avenida Afonso Pena, nº 4001, Serra / Fórum Lafayette – Avenida Augusto de Lima, nº 1549, Barro Preto / Fórum Unidade Raja – Avenida Raja Gabáglia, 1753, Luxemburgo / Unidade Goiás – Rua Goiás, nº 229, Centro

Serviço Social Autônomo (Servas)
O que doar? Alimentos não perecíveis, água mineral, produtos de higiene pessoal, material de limpeza, cobertores, colchões e roupas de cama
Onde doar? Avenida Cristóvão Colombo, nº 683, Funcionários

Arquidiocese de Belo Horizonte
O que doar? Alimentos não perecíveis, água mineral e kit Covid (máscaras e álcool em gel)
Onde doar? Vicariato Episcopal para Ação Social Política e Ambiental – Rua Além Paraíba, nº 208, Lagoinha / Centro de Espiritualidade da PUC Minas – Avenida Dom José Gaspar, nº 500, Coração Eucarístico / Santuário Arquidiocesano São José – Rua Tupis, nº 164, Centro / Igreja Nossa Senhora da Boa Viagem – Rua Sergipe, nº 175, Funcionários / Santuário Arquidiocesano São Francisco de Assis – Avenida Otacílio Negrão de Lima, nº 3000, Pampulha / Santuário Arquidiocesano São Judas Tadeu – Rua Macaé, nº 629, Graça / Paróquia Nossa Senhora da Consolação e Correia – Rua Bernardo Guimarães, nº 2700, Santo Agostinho / Paróquia Nossa Senhora de Fátima–  Praça Carlos Chagas, nº 33, Santo Agostinho / Paróquia Santo Inácio de Loyola – Rua Bernardo Mascarenhas, nº 187, Cidade Jardim / Paróquia de Santo Antônio – Avenida do Contorno, nº 6738, Santo Antônio

Centro Nacional de Africanidade e Resistência Afro-Brasileira (CENARAB)
O que doar? Alimentos, leite, colchões, cobertores, remédios para dor e febre, curativos, produtos de higiene pessoal e utensílios para cozinha
Onde doar? Rua Desembargador Barcelos, nº 102, Calafate

Centro de Estudos em Direito e Negócios (CEDIN)
O que doar? Alimentos não perecíveis, material de limpeza e produtos de higiene pessoal
Onde doar? Unidade CEDIN I – Rua Alagoas, 686, Savassi

Supermercados Verdemar
O que doar? Alimentos não perecíveis, material de limpeza, produtos de higiene pessoal, roupas de cama, toalhas de banho e máscaras
Onde doar? Lojas do supermercado Verdemar – Rua Fernandes Tourinho, nº 471, Funcionários / Rua do Ouro, nº 195, Serra / Rua Vancouver, nº 40, Jardim Canadá / Rua Guaicuí, nº 700, Luxemburgo / Rua Viçosa, nº 572, São Pedro / Rua Turquesa, nº 721, Prado / Avenida Nossa Senhora do Carmo, nº 1900, Sion / Avenida Raja Gabáglia, nº 3600, Estoril / Avenida Professor Mário Werneck, nº 1500, Buritis / Avenida Santa Rosa, nº 846, Pampulha / Avenida Tancredo Neves, nº 2700, Castelo / Avenida Cristiano Machado, nº 2130, Cidade Nova

Lojas Imaginarium
O que doar? Cestas básicas, material de limpeza e máscaras
Onde doar? BH Shopping – BR-356, nº 3049, Belvedere / Shopping Cidade – Rua Rio de Janeiro, nº 910, Centro / Shopping Del Rey – Avenida Presidente Carlos Luz, nº 3001, Pampulha / Boulevard Shopping – Avenida dos Andradas, nº 3000, Santa Efigênia / Pátio Savassi – Avenida do Contorno, nº 6061, São Pedro / Loja de rua – Avenida Coronel José Dias Bicalho, nº 964, São José

 

 

 

Novos conselheiros, presidente e vice-presidente do Corecon-MG são empossados em 1ª Sessão Plenária Ordinária de 2022

1ª Sessão Plenária Ordinária de 2022 do Corecon-MG, que ocorreu virtualmente via plataforma Zoom. Foto: Arquivo/Corecon-MG

Nesta terça-feira, dia 4 de janeiro, o Corecon-MG realizou virtualmente sua 1ª Sessão Plenária Ordinária de 2022. Na ocasião, foi dada posse a um novo terço de conselheiros da autarquia, com mandato no triênio 2022-2024, além de eleitos e empossados o presidente e o vice-presidente do Conselho para o exercício de 2022.

Os novos conselheiros foram escolhidos durante as eleições do sistema Cofecon/Corecons, ocorridas durante o mês de outubro de 2021. Todos os economistas registrados no Corecon-MG, adimplentes e remidos, puderam votar pela internet. O resultado da votação pode ser acessado por este link.

Para os cargos de presidência e vice-presidência, por sua vez, foi realizada uma consulta pública durante o processo eleitoral. Essa consulta foi referendada pelos conselheiros do Corecon-MG, que reelegeram a economista Tania Cristina Teixeira para o cargo de presidenta e elegeram a economista Valquíria Aparecida Assis como vice-presidenta.

Conheça os empossados na ocasião:

Presidenta

Tania Cristina Teixeira – Graduada em Ciências Econômicas pela PUC-Minas, mestre em Ciência Política pela UFMG, Master-DEA e doutora em Economia Aplicada pela Universidade de Valencia (Espanha). Atualmente é professora, pesquisadora e extensionista da PUC-Minas.

Vice-presidenta

Valquíria Aparecida Assis – Economista pelo Centro Universitário Newton Paiva, especialista em Economia do Trabalho e Sindicalismo pelo Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho (Cesit) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e mestranda em Desenvolvimento Econômico pela Universidade Federal de Alfenas (Unifal). É presidenta do Sindicato dos Economistas de Minas Gerais (Sindecon-MG).

Conselheiros efetivos

Ario Maro de Andrade – Graduado em Ciências Econômicas pela PUC Minas, com MBA Executivo em Finanças pela Ibmec Business School e mestrado em Economia pela UFMG. É professor do Departamento de Economia da PUC Minas. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em crescimento, flutuações e planejamento econômico.

Gelton Pinto Coelho Filho – Graduado em Ciências Econômicas pelo Centro Universitário UNA, foi Diretor de Desenvolvimento de Novos Negócios na Belotur, empresa na qual atualmente é Diretor de Programas e Desenvolvimento do Turismo. Também é professor licenciado de Economia do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix.

João Vitor Leite Rodrigues – Bacharel em Ciências Econômicas pela UFMG e mestrando em Geografia pela UFMG. Já atuou como servidor público na Câmara Municipal de Belo Horizonte. Atualmente, é assistente de pesquisa do Laboratório de Estudos Urbanos e Metropolitanos da UFMG. Interessa-se por estudos urbanos, planejamento regional e urbano e finanças públicas.

Conselheiros suplentes

Alzira Alice de Souza – Graduada em Economia e em Ciências Contábeis pela PUC Minas e em Administração pelo Centro Universitário UNA e mestre em Administração pelo CEFET-MG. É especialista em Finanças, Controladoria e Auditoria, com MBAs pela Fundação Getúlio Vargas e Fundação João Pinheiro.

Carolina Rocha Batista – Graduada em Economia pela PUC Minas e mestre em Economia pela Unifal. Tem experiência em controladoria, planejamento, gestão e finanças, com atuação em elaboração e análise de relatórios gerenciais, desempenho econômico e financeiro, planejamento estratégico, análise de custos e orçamento e pesquisa de mercado.

Wallace Marcelino Pereira – Doutor em Economia Aplicada pela UFMG, com passagem pela Comissão Econômica para América Latina e Caribe e pelo Centre of Latin American Studies da Universidade de Cambridge. Integra os grupos de pesquisa em Desenvolvimento Econômico, Sistema Financeiro e Restrição Externa da UFMG e o Grupo de Pesquisa em Macroeconomia Estruturalista do Desenvolvimento da UnB. É co-fundador do Instituto Economias e Planejamento.

Cerimônia virtual: XXXIII Prêmio Minas de Economia

O Conselho Regional de Economia de Minas Gerais (Corecon-MG) realizou, no dia 16 de dezembro de 2021, a cerimônia virtual de premiação do XXXIII Prêmio Minas de Economia, promovido com o patrocínio do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG). O evento foi transmitido ao vivo pelo canal do Conselho no YouTube.

O Prêmio Minas de Economia contempla as três melhores monografias de conclusão dos cursos de graduação em Ciências Econômicas e Relações Econômicas Internacionais, produzidas e aprovadas em faculdades mineiras. Neste ano, as inscrições ocorreram pela internet entre os dias 1º de junho a 31 de agosto.

Para a 33ª edição do prêmio, foram inscritos 28 trabalhos, indicados pelas Universidades Federais de Juiz de Fora (UFJF), Juiz de Fora campus Governador Valadares (UFJF/GV), Minas Gerais (UFMG), Montes Claros (Unimontes), Ouro Preto (UFOP), São João Del Rei (UFSJ), Uberlândia (UFU), Viçosa (UFV), dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-Minas).

As monografias vencedoras, escolhidas por comissão julgadora composta de três professores doutores, fizeram jus a prêmios de R$ 8.000,00 (1º lugar), R$ 5.000,00 (2º lugar) e R$ 2.000,00 (3º lugar). Foram elas, respectivamente: “O nexo água-energia-emissões na matriz elétrica de Minas Gerais: impactos econômicos e ambientais”, de Giornni Paolinelli Raposo Duarte (UFMG); “Aplicação de singular spectrum analysis para a exportação do minério de ferro brasileiro”, de José Daniel Corbelli Júnior (UFJF); e “O impacto econômico da Covid-19 em Minas Gerais: uma análise das microrregiões de saúde nos oito primeiros meses da pandemia”, de Daniel Nogueira da Silva (UFMG).

O trabalho “Dependência na duração dos ciclos de negócios brasileiro: uma análise para os anos 1947-2017”, de João Augusto de Paula Leite (UFJF/GV), por sua vez, recebeu a menção honrosa.

Sobre a premiação

Desde 1998, o Prêmio Minas de Economia é realizado anualmente pelo Corecon-MG, sempre com participação e apoio do BDMG, sendo um dos mais importantes e esperados concursos voltados para tal público. Seu objetivo é incentivar a produção acadêmica no nível de graduação em nosso estado, estimulando os estudantes a dedicarem mais esforço e apuro em suas pesquisas e reconhecendo os produtos finais desse empenho, de modo a cumprir um papel educativo e cultural.

Painel: Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) aplicada às autarquias

O Corecon-MG promoveu, no dia 10 de dezembro de 2021, um painel virtual sobre a aplicação da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) nas autarquias públicas, com transmissão ao vivo pelo YouTube. Participaram como expositores o advogado Pedro Elizeu e a arquivista Daiane Coutinho, enquanto a abertura do evento foi realizada pela presidenta do Conselho, economista Tania Cristina Teixeira.

Sobre os convidados

Expositores

Pedro Henrique Vilela Elizeu é graduado em Direito e MBA em Compliance Digital pela PUC Minas e Certified Information Privacy Manager (CIPM) pela International Association of Privacy Professionals (IAPP). Atualmente, atua como Advogado no AOF Advogados.

Daiane Coutinho é bacharel em Arquivologia pela UFMG, pós-graduada em Documentos Jurídicos pela Unyleya e pós-graduanda em Privacidade e Proteção de Dados pelo CEDIN. É coordenadora de arquivo e membra da Comissão Gestora de Privacidade e Proteção de Dados e Encarregada de Proteção de Dados na Associação dos Servidores Municipais de Belo Horizonte (Assemp).

Abertura

Tania Cristina Teixeira é graduada em Ciências Econômicas pela PUC Minas, mestre em Ciência Política pela UFMG, Master-DEA e doutora em Economia Aplicada pela Universidade de Valencia, na Espanha. É presidenta do Corecon-MG e professora, pesquisadora e extensionista da PUC Minas.

 

Resolução define valores de anuidades, multas e emolumentos devidos ao Corecon-MG no exercício de 2022

Nas próximas semanas, o Corecon-MG enviará aos profissionais e empresas registradas, pelos correios, o carnê para pagamento da anuidade referente ao exercício de 2022, cuja quitação é obrigatória segundo as Leis nº 1.411/51 e nº 12.514/11.

Por meio da Resolução nº 154, de 12 de novembro de 2021, o Conselho estabelece os valores das anuidades, multas e emolumentos devidos à autarquia, por pessoas físicas e jurídicas, que serão praticados no próximo ano.

O documento também determina descontos para pagamentos antecipados e em cota única das anuidades, sendo: 10% de desconto para pagamentos efetuados até 31/01/2022 e 5% de desconto para pagamentos efetuados até 28/02/2022.

As anuidades também podem ser pagas em três parcelas, iguais e consecutivas, através do carnê enviado, ou por meio de cartões de crédito e de débito, pelo telefone.

Para pagar, negociar ou esclarecer dúvidas, basta entrar em contato com o setor de Cobrança do Corecon-MG: (31) 3261-5806 – Opção 2 | (31) 9 9391-0396 (atendimento das 13h às 18h em dias úteis, via ligação ou WhatsApp) | cobranca@corecon-mg.org.br

Confira aqui os valores das anuidades devidas ao Corecon-MG no exercício de 2022.
Acesse a Resolução nº 154, de 12 de novembro de 2021, na íntegra.

Corecon-MG anuncia vencedores do XXXIII Prêmio Minas de Economia

Está disponível o resultado do XXXIII Prêmio Minas de Economia, concurso que contempla as três melhores monografias dos cursos de graduação em Ciências Econômicas e Relações Econômicas Internacionais, produzidas e aprovadas em faculdades mineiras.

A premiação é promovida anualmente pelo Corecon-MG, desde 1998, sempre com participação e apoio do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG). Em 2021, pela segunda vez, as inscrições ocorreram virtualmente, entre os dias 1º de junho a 31 de agosto.

Foram inscritos 28 trabalhos, indicados pelas Universidades Federais de Juiz de Fora (UFJF), Juiz de Fora campus Governador Valadares (UFJF/GV), Minas Gerais (UFMG), Montes Claros (Unimontes), Ouro Preto (UFOP), São João Del Rei (UFSJ), Uberlândia (UFU), Viçosa (UFV), dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-Minas).

A avaliação das monografias participantes foi feita por comissão julgadora composta pelos professores doutores Cândido Luiz de Lima Fernandes (IPEAD/UFMG), Ronaldo Nazaré (UFMG/UFOP) e Nathalia Sbarai (UFVJM).

Os contemplados fazem jus a prêmios de R$ 8.000,00 (1º lugar), R$ 5.000,00 (2º lugar) e R$ 2.000,00 (3º lugar). A cerimônia de premiação ocorrerá no próximo mês de dezembro, em dia e horário ainda a serem definidos.

Confira aqui o quadro de trabalhos premiados.

Confira o resultado das Eleições 2021 do Corecon-MG e do Sistema Cofecon/Corecons

Entre os dias 27 e 29 de outubro de 2021, os Conselhos Regionais de Economia de todo o Brasil realizaram eleições virtuais, com o objetivo de renovar um terço de seus conselheiros, escolher delegados eleitores efetivos e suplentes para votarem nas eleições do Conselho Federal de Economia (Cofecon) e realizar consulta para presidentes e vice-presidentes para a gestão de 2022.

Durante este período, todos os profissionais registrados nos Corecons, adimplentes e remidos, puderam exercer seu voto através do site www.votaeconomista.org.br, ajudando a escolher aqueles que representarão a classe dos economistas em seus respectivos estados.

Em Minas Gerais, foram 325 votos computados na chapa “Desenvolvimento, trabalho e cidadania”, a única que pleiteou as eleições 2021 do Corecon-MG. Na tabela abaixo, é possível conferir o resultado da apuração dos votos obtidos.

Todo o processo de apuração foi acompanhado por auditoria externa e transmitido ao vivo pelo canal do Cofecon no YouTube, garantindo a legalidade da votação. Além disso, prezando por um processo transparente e cumprindo com os protocolos determinados pelo edital de convocação e pelo calendário eleitoral, o Corecon-MG publicou em seu portal todos os documentos relativos às eleições deste ano, os quais podem ser conferidos aqui.

Confira abaixo o resultado das eleições nos demais estados ou acesse o site do Cofecon.

Nota de pesar pelo falecimento do economista Lúcio Marcos Bemquerer

Foto: Reprodução/Fundação Dom Cabral

Com grande pesar, o Conselho Regional de Economia de Minas Gerais (Corecon-MG) tomou conhecimento do falecimento do empresário e economista mineiro Lúcio Marcos Bemquerer, ocorrido no último sábado, dia 23 de outubro.

Destacado homem de negócios, Lúcio Marcos Bemquerer foi sócio da empresa Prosper Consultoria e diretor da Arcelor Mittal, além de presidente da Associação Comercial e Empresarial de Minas Gerais (ACMinas) e da Federação das Associações Comerciais do estado (FederaMinas).

O economista também foi diretor executivo do Fórum de Líderes Empresariais da Gazeta Mercantil, membro do Conselho Curador da Fundação Dom Cabral e um dos diretores da Revista Encontro, publicação de negócios com sede na cidade de Montes Claros.

Bemquerer ainda ficou conhecido por ter construído um grande presépio natalino em sua cidade natal, Grão Mogol, ajudando a movimentar o turismo na região. Composto de 16 peças em tamanho natural, situadas em uma área de 3,6 mil m2, o Presépio Mãos de Deus foi projetado para ser o maior presépio a céu aberto do mundo.

Como reconhecimento por seu relevante trabalho, recebeu diversas homenagens, tais como: a Comenda do Mérito Arthur Bernardes, concedida pela Associação Comercial de Viçosa; o Colar do Mérito da Corte de Contas Ministro José Maria de Alkimim; e o título de cidadão honorário de Belo Horizonte.

O Corecon-MG lamenta a inestimável perda de Lúcio Marcos Bemquerer, solidarizando-se com a dor de seus amigos e familiares, e reverencia o extenso legado deixado pelo economista ao longo de sua trajetória.

Corecon-MG participa de homenagem da COP-MG a deputados que apoiaram retirada da PEC 108/2019

Foto: Reprodução/CREA-MG

O Conselho Regional de Economia (Corecon-MG) participou de homenagem aos deputados que trabalharam para retirada da PEC 108/2019, promovida no último dia 1º de outubro pelos Conselhos e Ordens Profissionais de Minas Gerais (COP-MG). Na ocasião, o Corecon-MG foi representado pelo seu vice-presidente, economista Gustavo Aguiar Pinto, e pelo conselheiro regional Paulo Roberto Paixão Bretas.

A PEC 108/2019, retirada pelo governo federal no dia 2 de setembro, pretendia alterar a natureza jurídica dos conselhos de classe, desobrigando o registro profissional para diversas categorias. Graças ao engajamento e articulação dos conselhos junto a parlamentares, a proposta não prosperou.

Da direita para a esquerda, vice-presidente do Corecon-MG, economista Gustavo Aguiar Pinto, junto ao deputado federal Rogério Corrêa e ao presidente do CREA-MG, Lúcio Borges. Foto: Co

“Quando a PEC foi apresentada e vimos os perigos para os profissionais e para a sociedade, nossa ação foi a de procurar os nossos colegas parlamentares. Então, começamos a lutar”, lembrou o presidente do COP-MG e do Conselho Regional de Administração de Minas Gerais (CRA-MG), Jehu de Aguilar Filho.

Já a presidente do Conselho Regional de Profissionais de Relações Públicas (CONRERP 3ª Região), Anita Cardoso, destacou união dos conselhos. “Temos certeza da força do nosso trabalho e da força das alianças necessárias para o bem maior, que é a proteção da sociedade”, ressaltou.

Por sua vez, a presidente Conselho Regional de Psicologia de Minas Gerais (CRP-MG), Lourdes Machado, falou da importância do trabalho conjunto com os deputados. “A solenidade marca, de uma forma potente e necessária, a parceria com o parlamento e também com todos os outros conselhos profissionais”, afirmou.

Receberam a placa de homenagem os deputados federais de Minas Gerais, Rogério Correia e Domingos Sávio, os deputados estaduais Dalmo Ribeiro, André Quintão, Celinho do Sintrocel e Ana Paula Siqueira.

Com informações do CREA-MG